Como aplicar reajustes de preços sem perder clientes

Empresário precisa levar em consideração algumas questões para competir no mercado e manter lucratividade

reajuste

Um dos grandes desafios enfrentados pelos empresários do comércio está no reajuste de preços, prática na contramão das estratégias para atrair e conquistar clientes. Contudo, trata-se de uma ação necessária, tendo em vista a variação inflacionária.

Como fazer isso sem afugentar o consumidor? Para oferecer preços competitivos sem perder lucratividade, três fatores devem ser considerados: demanda, custos e concorrência.

VEJA PORQUÊ:

Demanda

É importante analisar o grau de elasticidade do produto, que significa o quanto o consumidor está disposto a adquirir determinado bem ou serviço mesmo se aumentar o preço.

Alguns não apresentam queda significativa de vendas quando o preço é majorado (produtos inelásticos: combustível, gás, produtos de primeira necessidade).

Já outros apresentam forte redução nas vendas (produtos elásticos: eletrodomésticos e vestuário).

Essa elasticidade depende de algumas variáveis, como existência de produto substituto, tipo de utilização, peso que o item tem no orçamento do consumidor etc.

Custos

Por essa ótica, devem ser considerados fatores como custos e despesas (fixas e variáveis) e margem de lucro desejada (também chamada de “margem de contribuição”).

Nesse caso, o cálculo deve seguir a seguinte equação: preço de venda = (custo + despesa) + margem de contribuição.

Esse cálculo permite avaliar quanto cada produto poderá absorver do reajuste em termos de margem, de maneira que ainda seja competitivo no mercado.

Concorrência

Com base na média de preços dos concorrentes, o empresário pode fixar o valor de seus produtos.

Contudo, é recomendável combinar esse método com o anterior (ótica de custos), para ter certeza de que não haverá grande redução da margem de lucro, prejudicando a continuidade dos negócios.

(fonte: FecomercioSP)

Você pode gostar...